quarta-feira, 6 de maio de 2015

"AOS MEUS APOIADORES TUDO E AOS MEUS OPOSITORES O RIGOR DA LEI"

Depois de muito tempo de escrever no meu blog e instigado pelos últimos acontecimentos resolvi dar minha opinião sobre o assunto.

Particularmente tenho a sensação que as relações políticas nos últimos anos passaram a ter uma característica mais individualista, tão quão individualista passou a ser nossa sociedade, onde os interesses pessoais ou de pequenos grupos passou a sobrepor as "ideologias partidárias", bem como a sociedade passou a entender que seus interesses pessoais ou dos seus grupos sobrepõe aos coletivos ou da maioria.

Alguém deve estar se perguntando: O que ele esta querendo dizer com isso? Bem, estou dizendo que os políticos, médicos, advogados, empresários, funcionários Públicos ou qualquer outro profissional que utiliza da corrupção como prática para obter vantagens não são ET’s. Esses profissionais são frutos dessa sociedade em que você vive.

Sendo assim, as “instituições representativas” que vai das Associações de Moradores até a Presidência da República perpassando pelos partidos políticos e outras instituições, acabam sendo retrato dos valores empregados e impregnados em nossa sociedade. Alguém pode perguntar ou questionar dizendo: Mas existem as exceções. Claro que exceções existem eis o problema o que deveria ser regra passou a ser a exceção.

Por hora vou finalizando com uma reflexão aos “indignados” e aos “indignados” com os “indignados”. Se você se vale da frase "aos meus amigos (apoiadores) tudo e aos meus inimigos (opositores) o rigor da lei", você se acha tão diferente assim desses que você aponta para atacar ou defender?

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

REFORMA POLITICA E JUVENTUDE

Passados exatos 26 anos da Constituição de 1988 e 14 eleições entre presidentes, governadores, senadores, deputados federais, estadual, prefeitos e vereadores o sistema politico brasileiro passa por uma profunda crise, pois com o passar das eleições se tornou frágil e passou a não atender mais as necessidades da sociedade, precisando assim passar por uma atualização, passando a atender as demandas do seu tempo. 

Durante as manifestações de 2013 vi milhares de pessoas ocupando as ruas levando consigo cada um sua maneira sua indignação, mas ali existia uma questão em comum uma "crise de representatividade" em nosso sistema de democracia.

Em nossa democracia escolhemos pessoas para nos representar seja no Congresso Nacional, nas Assembleias Legislativas, Câmaras Municipais, Associação de Moradores, Sindicatos, enfim todo e qualquer espaço onde você necessita escolher alguém para te representar.

Essa necessidade latente em nossa sociedade se manifesta também pelo fato de uma mudança de geração, passados quase 30 anos do sistema politico adotado pelo Brasil se faz necessário uma atualização para que esse sistema passe a atender o tempo atual possibilitando uma maior participação deste no processo, essa "nova geração" sente dificuldade de se articular com o formato atual pois tal modelo parece estar obsoleto e não interessa mais. 

O tema "Reforma Politica" se tornou ainda mais atual depois das ultimas eleições, onde todos os candidatos pautaram o tema nos seus discursos, porém as divergências existentes quanto ao método que será utilizado para a construção de uma proposta que atenda os interesses da maioria da população se tornou um dos entraves para que o assunto possa transcorrer com tranquilidade.

Diante das divergências poucos foram os sinais concretos de que poderemos deslumbrar de um novo formato politico, mais adequado a realidade do país.













quinta-feira, 4 de julho de 2013

COMO DAR UM TIRO NO PÉ E ACERTAR A CABEÇA (DE CIMA)

Não é de hoje que o Governo do Estado insiste em errar quando o assunto é mediação de conflito com movimentos organizados, foi assim na reintegração de posse em Nova Esperança - Barra do Riacho em Aracruz, depois com as Manifestações pela redução da tarifa em 2011 e agora com as recente manifestações que tomaram o país fazendo com que o Espírito Santo tivesse a maior manifestação da sua história mais de 100 mil pessoas que tomaram as ruas lutando em sua maioria por garantia dos seus direitos.

Em todos esses fatos houve algo em comum a ação desastrosa do Governo em lhe dar com a situação, nos dois primeiros casos a responsabilidade sempre recaiu em alguns momentos sobre o Vice Governador, mas os últimos acontecimentos não têm mais essa figura é o próprio Governador o ator principal do processo.

Para quem imaginava que o excesso de erros está apenas ligado a questões meramente de intervenção policial nesta semana fiquei abismado com a falta de habilidade politica do Governador em lhe dar com o problema da Rodosol, onde ele chamou para si um problema que estava dentro do Legislativo Estadual e ele conseguiu colocar mais uma crise em sua conta. 

Causa-me maior estranheza é que não estamos falando de alguém formado na escola da ditadura com princípios militares ou que tenha sido formado politicamente pela direita brasileira e sim de alguém oriundo dos movimentos sociais.

Quem são seus conselheiros? De onde vem? O que pensam? Onde eles querem chegar? Como eles vivem?

Enfim, estamos esperando para ver quando vai começar a gestão do atual Governador porque até o momento ele só esta sendo somente uma cópia mal feita do seu antecessor. 

Se alguém tiver o interesse de ler o Relatório final da CPI da Rodosol ai esta o link 

terça-feira, 2 de julho de 2013

CARA DE PAISAGEM!!!!!!!!

Dia pós dias diante dessas manifestações eu me pergunto quando vai cair a  ficha dos Prefeitos de que o problema também é com eles? Que problemas referentes à educação, saúde, mobilidade urbana, corrupção entre outras pautas também ou fundamentalmente perpassam por ações mais efetiva dos prefeitos e prefeituras.

Vejo só caras de paisagens como se o problema não fosse deles. A União pelo que parece já assumiu sua parte, o Congresso Nacional também o Estado já esta sentindo no lombo e vendo que precisam agir, as Prefeituras e Câmaras estão esperando o que para começarem a agir.

Ficar alheio a esse debate e não se antecipar ao problema já é percebido como um erro estratégico, as manifestações atingem a todos as escalas do poder público a mudanças de postura se faz necessária em todas as esferas as coisas não andam as mil maravilhas nas prefeituras preciso aqui lembrar alguns casos de corrupção, de falta de investimento em educação, saúde e que as prefeituras também aumentam passagens e a mobilidade urbana é algo surreal.

Esperarei atento para ver qual vai ser o primeiro prefeito a assumir sua parte dessa confusão e parar de fingir que o problema não é com ele, não cabe mais cara de paisagem nesse processo ou se antecipa com ações claras e concretas ou essas manifestações vão chegar até vocês.


“Pode correr mas não pode se esconder”.